Adriano Lopes | Desenvolvimento e Programação Web

TAG | vesícula

Hoje dia 29 de Setembro fui ao Instituto Garrido como retorno após 30 dias de cirurgia da retirada da vesícula. Minha consulta estava marcada para as 18h40 e para minha surpresa fui atendido muito rápido. Esse era o momento de sanar todas as minhas dúvidas.

No primeiro momento o Dr. Henrique analisa o resultado dos exames da minha vesícula, na verdade eu nem sabia que minha vesícula havia sido encaminhada para uma analise laboratorial. Minha vesícula estava com perfeitas condições, com aparência, textura, coloração e viscosidade nos parâmetros normais, ela tinha 12cm e a maior pedra possuía 0,6cm e a melhor notícia que não havia nada de maligno.

A priori o médico me deu alta do consultório, ou seja, não havendo a necessidade de retorno ao menos que ocorra algo fora do normal. Por mais que eu tivesse 10 perguntas para fazer eu acabei fazendo apenas 3, segue elas abaixo e suas respectivas respostas:

1 – Como será o funcionamento do meu sistema digestivo sem a vesícula?

R: A vesícula é responsável em armazenar bile produzida pelo fígado, na ingestão de um excesso de gordura a vesícula é acionada e despeja uma quantidade de bile extra para a digestão da gordura. Na falta da vesícula a bile é direcionada constantemente ao intestino, na ingestão de excesso de gordura o intestino não terá mais o apoio do reservatório da bile, nesse caso ocorre à diarréia que elimina toda gordura ingerida.

2 – Sem a vesícula a chance de engordar é maior?

R: Pelo contrário, se você consome muita gordura e seu intestino não dá conta de digeri-la e absorve-la e sim evacuá-la, então absorção de gordura e as chances de engordar são menores.

3 – Posso fazer academia?

R: Por enquanto não, é bom aguardar pelo menos 45 dias pós cirurgia e mesmo assim começar bem de leve.

O médico até brincou dizendo que não tem mais volta rsrsrs, mas as perguntas é só a título de curiosidade. O grande problema são as dores de barriga, sempre que exagero na alimentação tenho uma dor de barriga de imediato e só indo ao banheiro para resolver o problema.

Os tópicos de vesícula vão ficando por aqui, quaisquer dúvidas fiquem a vontade para comentar e qualquer coisa anormal que venha acontecer postarei aqui no blog. Aconselho também a conhecerem um tópico no orkut chamado “Somos sem VESÍCULA”, são mais de 2.300 pessoas que passaram pelos mesmos problemas que eu, lá possui tópicos bem interessantes que irão ajudá-los em qualquer curiosidade.

· · ·

Passou-se 17 dias que fiz a cirurgia e estou muito bem, na primeira semana pós cirurgia eu sentia um pequeno incomodo a cada passo do meu andar, era uma dorzinha bem de leve por dentro. Com 3 dias depois da cirurgia meu médico me liberou para voltar ao trabalho, até porque só fico sentado o dia todo na frente do computador, a minha preocupação era pegar o trem e o metrô cheio, obviamente se eu fosse apertado poderia dar problema nos meus pontos.

Em relação à alimentação meu médico simplesmente pediu que eu evitasse gordura de resto estaria liberado. Fui muito rigoroso na minha alimentação nos 10 primeiros dias, como toda regra tem sua exceção acabei indo ao MC Donald’s, por incrível que pareça não senti nada. No dia seguinte fui almoçar um churrasco, pra quê! Mais me deu uma dor de barriga daquelas, apesar de que fui avisado que se eu excedesse na gordura meu intestino não tendo a ajuda da vesícula para mandar bile, simplesmente meu intestino iria mandar tudo embora rsrsrs entenderam né?.

Com frequencia a cada refeição um pouco mais gordurosa tenho dores de barriga, mais é bem melhor sentir uma dar de barriga de 10 minutinhos do que ter uma dor terrível e ter que ficar 2 horas no hospital tomando Buscopan.

Bom, hoje fui ao consultório retirar os pontos, confesso que estava um pouco ansioso porque a última e primeira vez que tirei um ponto eu tinha 6 anos, então eu achei que iria doer um pouco. Era 10h30 quando eu aguardava na sala de espera, como sala de espera não tem muita coisa pra se fazer então fiquei prestando atenção na conversa dos outros, havia uns 4 obesos que conversavam sobre suas cirurgias de redução de estômago achei bastante interessante.

Chegou minha vez de ser atendido, deitei na maca, levantei a camisa, o médico com uma tesoura ia cortando as linhas de náilon e puxava, nosssaaaaaaa não senti nada rsrsrs, só dava uma aflição quando a tesoura gelada encostava na minha barriga. Foi engraçado quando foi tirar os pontos do umbigo, involuntariamente minha barriga encolhia quando a tesoura chegava perto, tive que me concentrar e manter a barriga estática. Como não era o meu médico da cirurgia então não pude tirar nenhuma dúvida, só perguntei se agora que tirei os pontos se eu poderia fazer algum esforço físico, e ele respondeu que não, como eu teria que retornar daqui a 15 dias então guardaria essa pergunta pra esse dia.

Por enquanto é isso, resumindo, passei esses 15 dias pós cirurgia muito bem, só as dores de barriga que é chato, pois agora sempre tenho que me preocupar de ter um banheiro por perto após cada refeição gordurosa rsrsrs. Em breve voltarei ao consultório e postarei novas orientações do meu médico.

· · ·

set/09

1

Vesícula: Parte V – A cirurgia

Quarta-feira dia 26 de Agosto acordei assustado às 05h00 pela enfermeira que veio tirar minha pressão e temperatura, devido o susto alterou um pouco a medida da pressão. Às 06h10 novamente fui acordado pela enfermeira que já me esperava na porta com a maca. Os meus planos era acorda 06h30 já que minha cirurgia seria às 07h00, mas a enfermeira me explicou que às 07h00 já inicia a cirurgia por isso que eu deveria estar pronto uma hora antes. Então rapidamente coloquei aquele traje ridículo que deixa toda traseira de fora rsrsrs e colei toca e um sapatinho de algodão, a orientação é ficar completamente nu e retirar qualquer tipo de objeto do corpo (piercing, anel, brincos, relógio, dentadura e tudo mais).

Subi na maca que por sinal era pequena de mais para mim, a enfermeira conversava comigo como se quisesse me acalmar, mas em nenhum momento fiquei nervoso, mas dava uma aflição quando você vai passando pelos corredores e vê todo mundo te olhando, pra entrar no elevador tive que encolher as pernas, pois não cabia rsrsrs.

Chegamos no 1º andar na sala de cirurgia 26, acho que fui um dos primeiros a chegar, havia pouca movimentação de médicos e enfermeiros nos corredores. A enfermeira me pediu que aguardasse que daqui a pouco os médicos viriam conversar comigo, isso era 06h30 eu ficava observando o ambiente, a sala é idêntica da imagem acima. O silêncio pairava na sala e pra piorar tinha um relógio que ficava fazendo tic tac tic tac e isso me deixava mais ansioso.

Agora por volta das 06h45 já dava para ouvir uma movimentação intensa nos corredores, o barulho de várias torneiras de pessoas lavando as mãos e muita conversa entre os médicos. Chegam dois médicos e brincam comigo perguntando se eu jogo basquete, porque a metade das minhas pernas estava do lado de fora, um deles faz várias perguntas do tipo se eu já fiz outra cirurgia, se eu tive dores recentemente, se sou alérgico a algum remédio e etc. O outro colocou alguns sensores no meu peito que medem os batimentos cardíacos, um aparelhinho no dedo indicador direito e um medidor de pressão no braço que verifica a pressão a cada 5 minutos. Depois me deixaram sozinho por 10 minutos na sala, eu olhava para o monitor e meus batimentos estavam a 77 batidas por minuto, comecei a orar a Deus pedindo que a partir de agora desse tudo certo e que ele me acompanhasse na minha cirurgia. Nesse tempo que estive sozinho comecei a ficar nervoso, imaginem aqueles barulhos que medem os batimentos cardíacos mais o tic e tac do relógio, quando olhei para o monitor os batimentos estavam a 109 batidas por minuto, fechei os olhos e comecei a respirar fundo para me acalmar.

Às 07h05 entram seis médicos na sala, o cirurgião Dr. Henrique, a anestesista, dois médicos auxiliares e dois enfermeiros, aí vi que não tinha mais volta. Colocaram-me na mesa da cirurgia, o enfermeiro furou minha veia para inserir a anestesia geral e depois o soro, o mesmo estendeu meu braço esquerdo e enrolou com um pano o outro enfermeiro colocou uma placa gelada na coxa próxima a nádega direita. A anestesista se apresentou e me disse que iria aplicar uma anestesia que iria me deixar um pouco tonto, na verdade que não fez afeito nenhum, logo em seguida ela aplicou uma nova dose e disse que se eu sentisse algo estranho era pra avisá-la e colocaram oxigênio para facilitar na minha respiração, em 20 segundos comecei a perder o foco da visão, minhas pálpebras piscava muito rápido como se eu não dormisse a uma semana, só deu tempo de dizer que estava fazendo efeito, pronto, depois eu não lembro de mais nada.

De repente acordo com muito sono, passo a mão na minha barriga e sinto quatro curativos, olho para os lados e estou em um corredor com cortinas que me dividem entre outras macas. Não estou com dor, apenas um pequeno incomodo dos pontos, passa um enfermeiro e me chama pelo nome, ele me pergunta se estou bem, se sinto enjôo, digo que estou bem e que não sinto nada, pergunto que horas são e ele me diz 10h30. Ele me leva para o quarto e no corredor vejo que tem no mínimo 20 macas com pessoas no mesmo estado que eu, de soro e coberta com um cobertor amarelo. Pergunto para o enfermeiro se aquelas pessoas haviam feito cirurgias também, ele me diz que sim e que em média o hospital faz cerca de 80 cirurgias por dia. Chego ao meu quarto e o enfermeiro me ajuda a ir para minha cama, eu estava com muito sono e acabei dormindo.

No próximo post irei falar sobre pós cirúrgico, a alimentação, orientações médicas e a alta.

· · · · · ·

ago/09

31

Vesícula: Parte IV

Chegou o grande dia, terça-feira dia 25 de Agosto saí do trabalho às 18h00 e fui atrás de um lugar para jantar aqui no Centro, pra minha surpresa todos os restaurantes a noite virão barzinho, a minha única alternativa foi comer um Beirute no Habib’s. A minha preocupação era, que eu tinha que jantar uma refeição leve antes das 19h00, mas acabei comendo um Beirute e 4 esfihas.

Em nenhum momento eu estava preocupado com a cirurgia, mas para descontrair fui ao fliperama jogar Marvel vs Capom. Fui pra casa da minha namorada deixar algumas coisas da mochila e tomar um banho, minha namorada coitada toda preocupada, estava muito aflita, enquanto eu uma calmaria só. Dirigi-me ao Hospital Santa Rita por volta das 21h45, me despedi da namorada, os olhos dela estavam cheios de lágrimas coitada. Cheguei ao hospital 22h30 e me surpreendi com a beleza do hospital, parecia um castelo de fora, fui muito bem atendido na recepção, assinei alguns papeis, entreguei todos os meus exames, coloquei uma pulseira de identificação e fui acompanhado até o quarto 301.

Como meu plano é enfermaria tive que dividir o quarto com o Vicente, um senhor aparentemente com 60 anos de idade que caiu da moto e quebrou o braço. Fui muito bem recebido pelas enfermeiras, o quarto é bem aconchegante, tudo muito limpo e tinha uma TV com NET, nem parecia hospital, acho que por isso eu não estava nervoso.

Fui dormir às 23h00 em jejum absoluto, passei a noite inteira sonhando com a cirurgia e tudo mais, eu tinha colocado o celular para despertar 06h30, porque minha cirurgia seria às 07h00 da quarta-feira dia 26 de Agosto. No próximo post contarei como foi à cirurgia fiquem no aguardo.

· · · ·

ago/09

31

Vesícula: Parte III

Dia 27 de Julho era o dia de eu levar os exames ao Dr. Henrique no Instituto Garrido. Eu havia marcado às 18h10, na recepção tinhas umas 5 pessoas na minha frente aguardando, mas cada paciente atendido demorava um pouco pelo fato dos médicos ser bem detalhistas na hora de explicar os exames e procedimentos de tratamento, então só fui atendido por volta das 19h30.

Chegando minha vez, o Dr. Henrique analisou meu histórico e relembrou a última visita. Analisou meus exames de sangue e ultrassom confirmando a pedra na vesícula, surpreendeu um pouco pelo tamanho das mesmas e falou que todos os órgãos estão em perfeitas condições e o exame de sangue estava tudo OK. O Dr. Henrique explicou que não há nenhum remédio para o diagnóstico e que o procedimento é cirúrgico, ele me deu a opção de operar ou não, porque não havia tantos problemas em conviver com pedras na vesícula, só teria o problema das dores com o exagero de ingestão de gordura.

O Dr. ainda me explicou que pedra na vesícula é muito comum no mundo todo e que em algumas regiões como México há uma facilidade de evoluir para um câncer, mas que não é o caso do Brasil, pois muita gente tem pedra na vesícula mais não sabem por nunca terem sentido as crises de dores que nem eu rsrsrs. A cirurgia é muito simples com baixíssimos níveis de complicação e para quem é especialista em redução de estômago, pedra na vesícula é fichinha diz Dr. Henrique.

A cirurgia será feita por videolaparoscópica, ou seja, três incisões de no máximo 1 centímetro para a passagem da micro câmera e outras ferramentas. O Dr me garantiu que dependendo das minhas atividades poderei voltar ao trabalho com 3 a 5 dias após a cirurgia. Também fui alertado que se a vesícula na hora da cirurgia estiver inflamada então a videolaparoscópica será abortada e então será feita uma incisão maior cerca de 7 cm.

O Dr. Henrique pediu mais dois exames (sangue e eletrocardiograma) que deverão ser entregues no dia da cirurgia. Saindo da sala do Dr. Henrique já fui marcar a cirurgia, conversei com a Dra. Cíntia e ela marcou para dia 26 de Agosto no Hospital Santa Rita. Ela me orientou que no dia 25 de Agosto um dia antes da cirurgia, que eu fizesse uma alimentação leve antes das 19h00 e que me dirigisse para o hospital onde serei internado. Desde então deverei ficar em jejum absoluto não podendo nem beber água, dormirei no Hospital e aguardarei a cirurgia que será às 07h00 na quarta-feira, irei passar mais um dia no Hospital e terei alta na quinta-feira dia 27.

Eu por enquanto estou super tranquilo, pois estou confiando primeiramente em Deus, depois pela equipe especializada e pela infra-estrutura do hospital. Aguardem que o próximo post sobre esse assunto falarei como foi à cirurgia

· · · · · · ·

jul/09

21

Vesícula: Parte II

Agora sim boas notícias, meu plano de saúde chegou (Sul América) e pude marcar um gastro. Fui ao Instituto Garrido que é referência em Gastroenterologia e cirurgia da obesidade, o Dr. Henrique que me atendeu foi muito atencioso, ele avaliou o exame de sangue que havia levado ao outro gastro que diagnosticou hepatite. O Dr. Henrique descartou a hipótese de hepatite, por mais que o meu TGP tenha atingido 368, quando o normal seria 34,0, mas ele explicou que para ser hepatite teria que ser no mínino 1500,0.

Pelos sintomas, dores em baixo da ultima costela do lado direito, palidez, vômitos, urina escura e febre ele logo já suspeito de pedra na vesícula. Ele solicitou exames mais precisos de sangue e ultrassonografia de abdômen total. Saí muito satisfeito do consultório, pois o doutor me explicou de uma maneira que uma pessoa leiga entendesse muito bem, dava pra perceber o profissionalismo e a competência do profissional.

Por falta de tempo minha namorada marcou os exames pra mim no Laboratório Campana, depois da demora de atendimento e más recomendações do laboratório NASA resolvi mudar. Dia 20 de Junho fui fazer os exames às 7h00 da manhã, morrendo de fome porque tinha que estar em jejum, e soltando muitos gases, pois tinha tomado Luftal que ajuda a eliminar certa neblina que poderia atrapalhar no ultrassom rsrs. Fui muito bem atendido, é super organizado eu recomendo o Laboratório Campana.

Primeiro fui à coleta de sangue onde já me informaram que os resultando sairiam sexta-feira dia 24/06. Logo em seguida fiz o ultrassom, o Dr. perguntou se havia algo especifico que ele deveria analisar, então disse que havia suspeitas de algo na vesícula. Não deu outra, confirmado pedras pequenas e grandes na vesícula e todos os outros órgãos estariam perfeitos. Aí tirei aquele monte de gel gelado da minha barriga e fui ao trabalho, agora era só aguardar sexta-feira para retirar os exames.

· · · ·

jul/09

2

Vesícula: Parte I

Olá pessoal, este post estréia a nova categorial “Pessoal”, onde irei falar sobre alguns momentos da minha vida particular. Este e os próximos post irei relatar alguns dramas que venho sofrendo que pode ajudar algumas pessoas.

Dia 23 de Junho de 2008, dia que iria começar no meu novo trabalho. Por volta das 3h30 da manhã acordo com fortes dores no estômago, muito estranho, pois nunca havia sentido isso antes. Levantei e tive que ir às pressas para o Hospital e Maternidade de São Miguel que fica próximo de casa. Chegando lá o clínico geral faz uma pré-avaliação e suspeita de gastroenterite e me medica com Buscopan e soro na veia.

As dores não melhoraram, sentia muita ânsia de vômito, dores muito fortes que se estendem pelas costas, resumindo foi horrível. O médico teve que solicitar uma nova dose de Buscupan e Gastrol. As dores melhoram um pouco e fui pra casa ainda sentido um pouco de dor, liguei para empresa e pedir desculpas por não poder trabalhar no meu primeiro dia. Quem me conhece sabe que sou assíduo e não falto por qualquer coisa. No dia seguinte fui ao trabalho mais ainda com dores na região do estômago.

No dia 25 de Junho por volta das 04h30 senti novamente aquelas dores, e tive que repetir todo o roteiro de ir ao Hospital, ser medicado, voltar pra casa e ligar para empresa que não iria trabalhar novamente. A médica me consultou Omeprazol e me disse que procurasse um gastro e foi o que eu fiz, o problema era que o plano de saúde da empresa anterior iria expirar no dia 30 de Junho e o da nova empresa ainda não chegou.

Consegui marcar um gastro, e com uma pequena avaliação ele suspeitou de Hepatite, solicitou exames de sangue e orientou que ligasse para ele quando saíssem os resultados. Realmente os resultados estavam um pouco acima do normal, só que o médico fez pouco causo dizendo que eu não deveria me preocupar, infelizmente o meu plano de saúde expirou e eu não podia dar continuidade com as consultas. Em breve postarei a continuidade deste caso.

· · ·

Site

Acesse também meu site:
www.adrianolopes.com.br

Theme Design by devolux.nh2.me