Vesícula: Parte I

Dores na vesícula biliar

Como descobri que tinha pedra na vesícula?

Em Junho de 2008, acordei com dores na região abdominal e nas costas, a principio fraca mas eu poucos minutos a dor já era insuportável. Juro que achei que ia morrer porque nunca senti algo parecido, eu sempre fui saudável, praticante de atividade física, confesso que fiquei bem assustado. Corri com meus pais para o Hospital e Maternidade de São Miguel que fica próximo de casa. Chegando lá o clínico geral fez uma avaliação apenas pressionando minha barriga e de imediato diagnosticou gastroenterite me medicando com Buscopan e um remédio liquido branco horrível para o estomago.

As dores não melhoraram, sentia muita ânsia de vômito, dores muito fortes que estendiam pelas costas, resumindo só passando por isso para saber. O médico teve que solicitar uma nova dose de Buscupan e aquele remédio branco horrível. As dores melhoram um pouco e fui pra casa ainda sentido um pouco de dor.

Dois dias depois por volta das 04h30 senti novamente aquelas dores, e repetimos novamente o roteiro descrito indo ao hospital, ser medicado e voltar para a casa. O médico recomendou que eu tomasse Omeprazol por 21 dias e que procurasse um gastro.

Como foi feito o Diagnóstico?

Fui em um gastro aleatório do plano de saúde e o Dr simplesmente examinou os meus olhos e diagnosticou Hepatite, chega até ser engraçado. Me pediu que fizesse alguns exames de sangue e retornasse com ele. No retorno ele viu pequenas alterações e disse que não era nada. Fiquei muito preocupado por já ter passado com dois clínicos geral e um gastro e todos eles não saberem o que ocorria comigo, ou era algo muito sério ou os médicos não sabiam o que estavam fazendo (o que era mais provável).

Pesquisei melhor e uma clinica aparentemente boa e que meu plano atendia, acabei indo no Instituto Garrido que é referência em Gastroenterologia e cirurgiada obesidade. Fui atendido pelo Dr. Henrique Yoshio Shirozaki (CRM 123099) que foi muito atencioso e prestativo, o mesmo avaliou o exame de sangue que havia levado ao gastro anterior que diagnosticou hepatite. O Dr. Henrique descartou totalmente a hipótese de hepatite, por mais que o meu TGP tenha atingido 368, quando o normal seria 34, para ser hepatite teria que ter no mínimo 1500.
Pelos sintomas que tive de dores em baixo da ultima costela do lado direito, palidez, vômitos, urina escura e febre ele logo já suspeito de pedra na vesícula. Ele solicitou exames mais precisos de sangue e ultrassonografia de abdômen total, saí muito satisfeito do consultório.

Feitos os exames conforme solicitado (exames de sangue e ultrassom de abdômen total) levei para o Dr Henrique que confirmou a pedra na vesícula e até se surpreendeu com o tamanhos das pedras, me tranquilizou dizendo todos os órgão estão perfeitos. Para pedra na vesícula não há remédio que ajudem a expelir como é possível no calculo renal, para pedra de vesícula a solução é cirurgia. O Dr. me deu a opção de não operar caso eu quisesse mas eu sempre terei as dores insuportáveis para sempre e sem contar a possibilidade de inflamar a vesícula.

Como viver sem vesícula? Como é a cirurgia?

Claro que optei pela cirurgia e me livrar logo desse problema, obviamente questionei o que será da minha rotina e do meu organismo sem vesícula.

Videolaparoscopia para retirada de vesícula biliarA cirurgia é simples feito por videolaparoscopia com baixíssimos níveis de complicação, ou seja, são três incisões de no máximo 1 centímetro sendo uma no umbigo onde um tubo infla sua barriga com gás para separar os órgãos e assim melhorar a visibilidade, outras duas incisões para o manuseio da pinça e a vídeo câmera. Caso seja identificado uma inflamação na vesícula poderia ocorrer de abortar a videolaparoscopia e retirar a vesícula por uma incisão de 7cm. Ocorrendo tudo bem eu já poderia voltar ao trabalho entre 3 a 5 dias.

No próximo post vou falar como foi a internação, o pós operatório, a cirurgia e a fase de recuperação. Passados 6 anos saiba como é minha vida sem a vesícula, não deixe ler.

Leia Vesícula Parte II e Vesícula Parte III.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Security Code: